quinta-feira, 18 de junho de 2015

Amando acima do meramente humano


Por Nonato Souza

Eu, porém, vos digo: amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem (Mt 5.44).

Amar os inimigos, bendizer aos que nos maldizem, fazer bem aos que nos odeiam e orar pelos que nos maltratam e nos perseguem, são atitudes positivas impostas aos que se declaram filhos de Deus. 

Sabe-se que é natural amar os amigos; amar os inimigos, porém, é sobrenatural. Este tipo de comportamento é exigido dos crentes que devem aplicar uma justiça mais elevada, além do "amar o próximo e aborrecer o inimigo" (Mt 5.43). Fica claro que a força necessária para tanto é ter morrido para seus próprios interesses, suas preocupações. Devemos tratar bem as pessoas independente do que elas são, possuem ou tem feito a nós. Jesus ensinou este princípio fundamental ao enviar a chuva e ordenar que o sol brilhe sobre pessoas más e injustas. As colheitas das pessoas más são tão abençoadas quanto a das pessoas de bem. Eles experimentam aquilo que se convencionou chamar de “graça comum”. Deus não os trata em vida conforme o que eles são e o que fazem, mas os governa debaixo do seu amor que é absolutamente desinteressado.

Somente o amor verdadeiro é capaz de assim proceder, erguendo-se acima do meramente humano. O amor humano está condicionado pela bondade ou pela simples capacidade de sermos amados por aqueles a quem amamos. O amor ágape, está acima, é incondicional, se dar espontaneamente pelos seus inimigos (Rm 5.8-10).

Amar os inimigos, bendizer aos que nos maldizem, fazer bem aos que nos odeiam e orar pelos que nos maltratam e nos perseguem, repito, é característica dos que são filhos de Deus. É assim, que podemos manifestar o amor de Deus ao nosso semelhante.Você é um filho de Deus? Então, acredito que entendeu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário