segunda-feira, 28 de outubro de 2013

36ª AGO da COMADEBG Reúne Ministros de Vários Estados da Federação Para Tratar Sobre o Perfil do Obreiro Contemporâneo e Eleger Sua Nova Mesa Diretora

Mesa Diretora da COMADEBG
Da esquerda para direita: Pr. Tugval Farias (4º vice presidente); Pr. Pedro Inácio da Silva (3º vice-presidente); Pr. Douglas Roberto (2º vice presidente); Pr. Nemias Preira da Rocha (1º vice-presidente); Pr. Orcival Xavier (Presidente); Pr. Sebastião Ducarmo (1º secretário); Pr. Suimar Caetano (2º secretário); Pr. Manoel Xavier (2º secretário); Pr. Raimundo Nonato Souza dos Santos (4º secretário); Pr. Manoel José (1º tesoureiro); Pr. Misael Meireles (2º tesoureiro).

Ministros da COMADEBG (Convenção de Ministros das Assembleias de Deus de Brasília e Goiás), vindo de vários estados da federação, se reuniram sob a presidência do pastor Orcival Pereira Xavier, no templo sede da Assembleia de Deus, na cidade de Taguatinga – DF, nos dias 25,26,27 de outubro de 2013, para tratar de assuntos relacionados ao Reino de Deus.

Sob o esfuziante tema: “O perfil do obreiro contemporâneo”, os ministros membros da COMADEBG desfrutaram de momentos graciosos de comunhão, presença de Deus e e muita alegria espiritual.

Os cultos, que concentraram durante todas as noites grande multidão, foram marcados por forte presença de Deus, com manifestação dos dons espirituais e operação de maravilhas, gerando alegria profunda, satisfação e contentamento nos presentes ao conclave. Ministraram a Palavra nos cultos pastores: José Antonio dos Santos (AL), Daniel Santos (SP), Pr. Robinho (MT). Louvou ao Senhor o canto Junior, grande conjunto Ufadeb, Umadeb e outros.

Sob os subtemas: O obreiro e a ética (Pr. Dariolano Martis - DF); O obreiro e a Palavra (Pr. Tugval Farias – PA); O obreiro e a mídia (Pr. Suimar Caetanoo – TO), tivemos manhãs e tardes de forte orientação espiritual através da Palavra de Deus. Muitos pastores usaram da palavra em assembleia para debater os assuntos, o que fortaleceu bastante os temas.

Os trabalhos se desenvolveram dentro da mais perfeita harmonia, sendo esta uma marca desta convenção, fato sempre lembrado pelo presidente pastor Orcival Xavier. Destaque para a presença do pastor José Antonio dos Santos (Maceió – AL), um dos vices presidente da nossa CGADB e presidente da COMADAL, que ministrou na abertura do referido evento.

Na tarde do dia 27 aconteceu o processo de votação da Mesa Diretora da COMADEBG. A eleição foi conduzida na mais perfeita harmonia e muita tranquilidade. 

Após apuração das urnas foi apresentada a nova Mesa Diretora para o quadriênio 2014 - 2017: Presidente: Pr. Orcival Pereira Xavier; 1º vice-presidente: Nemias Pereira da Rocha; 2º vice-presidente: Pr. Douglas Batista; 3º vice-presidente: Pr. Pedro Inácio da Silva; 4º vice-presidente: Pr. Tugval Farias; 1º secretário: Pr. Sebastião Pereira Ducarmo; 2º secretário: Pr. Suimar Caetano; 3º secretário: Pr. Manoel Pereira Xavier; 4º secretário: Pr. Raimundo Nonato Souza dos Santos; 1º tesoureiro: Pr. Manoel José; 2º tesoureiro: Pr. Misael Meireles; Secretário-adjunto: Pr. Manoel Messias.

A COMADEBG foi fundada dia 21 de abril de 1992, possuindo atualmente 2.225 obreiros cadastrados e cerca de 1.500 igrejas filiadas.

O fechamento da 36ª AGO se deu no culto de adoração e louvor com uma multidão de ministros e membros da Assembleia de Deus de Brasília, onde vimos grande mover de Deus.

Encerrados os trabalhos, o senhor presidente da COMADEBG, Orcival Pereira Xavier, agradeceu em nome da Mesa Diretora os convencionais e também a boa recepção oferecida pela igreja hospedeira, desejando a todos bom retorno aos seus respectivos locais de trabalho.

Veja mais fotos do evento:




sábado, 26 de outubro de 2013

Mover de Deus Marca abertura da 36ª AGO da COMADEBG no Distrito Federal

Com culto onde manifestação do Espírito se fez presente, teve início a 36ª AGO da COMADEBG, presidida pelo pastor Orcival Pereira Xavier. Os muitos ministros que vieram de várias partes do Brasil, se reúnem na cidade de Taguatinga – DF, para tratarem de assuntos de interesses do Reino de Deus.

Durante a realização do referido conclave será trabalhado o tema: “O Perfil do Obreiro Contemporâneo”, com destaque para a tarde domingo, na última sessão, para a eleição da nova mesa diretora da COMADEBG.

No culto de abertura, que concentrou uma grande quantidade de pessoas, lotando por completo as dependências do templo sede da AD Brasília, os ministros foram recebidos com boas vindas. Depois dos louvores, ministrou a Palavra de Deus o pastor José Antonio dos Santos – Maceió – AL, que lendo no Salmo 23 e outros textos, enfatizou vários princípios importantes para a vida do obreiro, exemplificado na vida de Jó.

Ministros presentes a AGO sentem-se feliz por estarem no Distrito Federal para mais um momento de comunhão com os companheiros, aprendizado e edificação espiritual através de tão belo tema que estará sendo trabalhado.

Abertura da 36ª AGO foi marcada ainda pela presença do representante do Governador do Distrito Federal, Daniel de Castro, que deu boas vindas a todos os convencionais, justificando a ausência do Governado Agnelo Queiroz que se encontra em viagem.

Nos dias 26 e 27 do mês em curso os convencionais estarão reunidos para tratarem de assuntos do Reino de Deus. O Espírito do Senhor esteja orientado e dirigindo os trabalhos desta seleta convenção. Deus abençoe a todos.

Veja fotos do evento.








sábado, 19 de outubro de 2013

Competindo Com Cavalos

Por Nonato Souza
Viva os desafios de Deus. Pois, não há crescimento sem desafios, e não há desafios sem mudanças.

"Se te fatigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os que vão a cavalo? Se em terra de paz não te sentes seguro, que farás na floresta do Jordão?" (Jeremias 12.5).

Em meus devocionais diários me detive no texto acima. Confesso que fui profundamente impactado e edificado na manhã daquele dia enquanto meditava na Palavra de Deus. Assim como Deus muito ensinou o profeta Jeremias na formação do seu caráter, muito aprendi com o que li.

O profeta Jeremias estava sofrendo à mão dos sacerdotes de Anatote, Deus, então, tenta animá-lo para as provações que ainda viriam pois seriam bem maiores. Isso é fato, Deus estava preparando seu profeta para eventos futuros, situações piores e mais afrontosas até mesmo, não confiar em sua própria família ou vizinhos.

Deus não queria ver o seu profeta tropeçando em casa (nas coisas mínimas) agora, porque como ele se comportaria mais tarde quando chegasse em Jerusalém (nas maiores dificuldades)? O ministério de Jeremias lhe proporcionara fadiga, angústia e desânimo, estando a ponto de desanimar, entregando-se de uma vez à morte prematura. É nesse momento que Deus trata com seu profeta: "Se te fadigas correndo com homens que vão a pé, como poderás competir com os que vão a cavalo? Se em terra de paz não te sentes seguro, que farás na floresta do Jordão?" (12.5). Deus ao fazer esta pergunta ao seu profeta queria saber o que de fato Jeremias estava querendo. O que realmente você quer Jeremias? Quer arrastar-se acompanhando a multidão ou quer correr com os cavalos? Jeremias não precisava ser mimado, mas sim fortalecido

É assim a nossa vida. Às vezes queremos desistir na primeira onda de oposição que surge. Sabe-se não ser tão fácil dar de si o melhor em prol da justiça e manter a direção em busca da excelência. É mais fácil ser um neurótico, viver como parasita. É mais fácil deixar-se levar pelos braços da maioria, pelo grito da multidão, pela influência dos grandes grupos, pelas palavras dos bajuladores.

Às vezes tropeçamos em coisas mínimas, questiúnculas insignificantes. Não somos capazes de vencê-las. Não somos capazes de passar por elas sem valorizá-las tanto. As experiências amargas, pelas quais passamos objetiva levar-nos à maturidade, um alvo maior, um objetivo mais à frente. Não podemos desistir nas primeiras dificuldades que surgem.
A vida de serviço piedoso não é fácil, é para cada cristão à semelhança de uma corrida. Não foi isso que viu apóstolo Paulo (Fp 3.12-14). É claro que se alguém quer desistir, haverá sempre algo mais fácil, uma vida mais confortável, mais segura. Algo que não trará dificuldade nenhuma. Não fomos, porém, chamados para ter vida fácil, pois a vida cristã é como alguém que começa uma corrida e tem muita, muita dificuldade para prosseguir e chegar ao final.

Não entendo por que há tanta desistência, quando o que se busca é a excelência, porque se desviar, só porque existem riscos. Os fracos preferem ajustar-se ao mínimo e viver com segurança do que ajustar-se ao máximo, se tem que passar por aventuras marcantes. Ora, "Deus nunca chama um homem para lutar contra cavalos se não o treinou antes para lutar contra homens; Deus nunca enviou um homem para os ermos do Jordão antes de treiná-lo nas terras de paz".

Jeremias, certamente, pensou sobre que resposta daria a seu Deus acerca de tão importante pergunta. Pesou as opções, avaliou os custos e tomou a decisão. Não temos no texto sagrado uma resposta verbal mas, por sua biografia e através de sua vida e ministério, certamente, ele resolveu responder: "Correrei com os cavalos". 

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Israel alerta o mundo que “as profecias bíblicas estão se cumprindo em nossos dias”

Discurso de primeiro-ministro na ONU pode ser prenúncio da Guerra de Gogue e Magogue.

Embora pesquisas de opinião indiquem que menos da metade da população de Israel acredite nas profecias bíblicas, a questão religiosa sempre foi determinante para o Estado judeu. Quando Benjamin Netanyahu, Primeiro-Ministro de Israel, falou na Assembleia Geral das Nações Unidas, dia 1º de Outubro, os meios de comunicação deram ênfase apenas aos primeiros dois terços de seu discurso.
Netanyahu falou por cerca de meia hora. Grande parte do que foi dito reflete o temos de Israel de um ataque do Irã a qualquer momento. Essa foi a tônica de mais da maior parte de suas colocações. O restante foram considerações sobre um antigo tema: a Palestina. O que surpreendeu a muitos foi os minutos finais do discurso.
Em suma, o primeiro-ministro acredita que o Irã não é confiável e seu recente discurso conciliador esconde uma estratégia armamentista. Nesse momento, é a maior ameaça à paz no mundo. Se as outras nações não desejam enfrenta-lo com uma postura rígida, Israel está pronto para se defender sozinho. Sobre o novo presidente iraniano, Hassan Rohani, foi direto: “Ele é um lobo que acha que pode colocar lã em cima dos olhos da comunidade internacional”. Lembrou ainda que Rouhani, quando foi chefe do Supremo Conselho Nacional de Segurança do Irã, entre 1989 e 2003, deu o aval do governo a atentados terroristas que dizimaram centenas.
Ao longo de seu discurso, Netanyahu apelou para os relatos do Velho Testamento sobre Ciro, o rei da Pérsia [atual Irã] que cerca de 2.500 anos atrás encerrou o exílio dos judeus na Babilônia. Ele também possibilitou o retorno dos israelitas à sua Terra e a reconstrução do Templo de Jerusalém. Para ele, a amizade secular entre os dois povos foi rompida em 1979, quando ocorreu a Revolução Islâmica no Irã, liderada pelo aiatolá Khomeini. Desde então, o governo religioso muçulmano iraniano se aliou aos maiores inimigos de Israel, as nações árabes.
Mais recentemente, aproveitou-se do desenvolvimento de seu programa nuclear e passou a fazer constantes ameaças a Israel. Embora os iranianos neguem, é de conhecimento da ONU que existem centrífugas para o enriquecimento de urânio e uma usina de água pesada que ainda este ano deixará o pais em condições de ter bombas nucleares.  Ao mesmo tempo, o Irã agora pede que Israel se desmilitarize e interrompa seus próprios programas armamentistas.
A comparação imediata do primeiro-ministro israelense é com a Coreia do Norte, que manteve um discurso de cooperação até o momento em que realizou testes nucleares e passou a ameaçar a Coreia do Sul e os EUA.
Em outras ocasiões o Irã por acusou Israel de não assinar a Convenção de Armas Químicas nem a Convenção de Armas Biológicas, ou qualquer outro tratado da ONU sobre o armamento nuclear, Isso inclui o Tratado de Não Proliferação, do qual o Irã é signatário.
Porém, Netanyahu alerta que o Irã, ao lado da Rússia, são os grandes apoiadores da guerra na Síria, onde foram usadas armas químicas. A partir daí, falou sobre sua intenção de ter paz com os palestinos desde que haja “reconhecimento mútuo, no qual um Estado palestino desmilitarizado reconhece o Estado judeu de Israel”. Asseverou ainda que Israel é “uma nação próspera com capacidade de se defender”.
Ao encerrar, usou um tom inesperado. “As profecias bíblicas estão se cumprindo em nossos dias. No nosso tempo vemos serem realizadas as profecias bíblicas. Como o profeta Amós [9:14-15] disse, eles reconstruirão as cidades assoladas, e nelas habitarão. Plantarão vinhas e beberão o seu vinho. Cultivarão pomares e comerão os seus frutos. Serão plantados na sua terra para nunca mais serem arrancados da sua terra [que lhes dei, diz o Senhor].
Após repetir os versos no original em hebraico, emendou “Senhoras e senhores, o povo de Israel voltou para casa para nunca mais dela ser arrancado”.
Para muitos teólogos, o cenário que se desenha hoje, comparado ao texto de Ezequiel 38-39, aponta para o que a Bíblia descreve como a Guerra de Gogue e Magogue.  Haverá grandes nações do mundo unidas na batalha contra Israel:
1 – a federação de dez reinos, que constitui um grande Império Mundial;
2 – a federação do Norte, (Rússia e seus aliados);
3 – os reis do Leste, povos além do Eufrates (Irã);
4 – o rei do Sul, poder ou coligação de poderes do Norte da África (Egito).
Embora a hostilidade dos quatro primeiros seja de uns contra os outros e contra Israel (Zc 12.2,3; 14.2), é particularmente contra o Deus de Israel que eles lutam. Com informações de Times of Israel.
Fonte: gospelprime