sábado, 30 de abril de 2011

JESUS CRISTO...

Na história da humanidade têm se levantado grandes homens, homens que fizeram história, revolucionaram reinos e se tornaram proeminentes. Porém, nenhum destes pode comparar-se ao Senhor Jesus Cristo. Veio ao mundo para cumprir um plano eterno do Pai. Fez-se carne e habitou entre os homens, cheio de graça e de verdade (João 1.14). Ele é o nosso tudo, o centro do Universo, Criador do mundo e sustentador da vida. O centro das profecias, o Redentor da Igreja, o Salvador e libertador dos pecadores. Nele, o reino das trevas é desbaratado e o reino de Satanás é desfeito. Veio a este mundo para salvar a humanidade dos seus pecados, morrendo em nosso lugar, sofrendo em si mesmo a punição do nosso pecado.

Geziel Gomes diz sobre Ele: “Jesus Cristo é a oferta maior de Deus para a humanidade, é a solução final para as criaturas, quaisquer que sejam e onde quer que se situem. Com Ele tudo. Sem Ele nada. Pérola, por excelência, tesouro maior, bem-aventurança plena que Deus nos tem propiciado. Na cruz Ele toma os nossos pecados. No sepulcro Ele destrói a morte. No céu Ele intercede pelos transgressores que o buscam.

Jesus - a salvação para o mundo decadente. Para o mundo enfermo. Jesus – aquele que liberta da escravidão e da morte. Jesus – o Caminho, a Verdade e a Vida. Ir a Ele não é uma opção. É alternativa única e definitiva. Ir a Ele é o caminho específico, para a libertação dos males espirituais. A verdade que torna livre; a vida que exclui a morte. Pregar a Cristo é a missão precípua da Igreja. Crer em Cristo é o dever básico de cada criatura. Viver em Cristo é o objetivo do crente na terra. Morar com Cristo é o alvo final dos redimidos. Para muitos Ele foi um filósofo. Nada mais. Para a Igreja que o conhece por experiência, é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Tem direito ao culto e ao louvor de divindade. É digno de toda glória e de toda honra e de toda adoração. Nele e por Ele foram criadas todas as coisas. Mesmo as menores dentre as mais pequenas. Mesmo as maiores dentre as mais imensas. Para Ele converge a atenção dos seres celestiais. Os anjos lhe dedicam a canção da eternidade. As flores lhe oferecem o néctar mais puro. Os anjos diante d’Ele se transmutam em labaredas de fogo. A eternidade está sob os seus pés. Os menores da terra podem ser ouvidos por Ele. Os grandes e orgulhosos temem-lhe até o nome. O adversário o odeia sobre tudo. As criancinhas o estimam como seus próprios pais. Quando o nome de Sua Majestade é pronunciado; as estruturas do inferno se abalam, os demônios são expulsos, as correntes contrárias ao Bem se desmoronam e recuam na sua trajetória demolidora e cruel. Brisas de graça e de glória perpassam ondulantes por sobre as almas dos que lavaram suas vestes no seu sangue, sangue do Cordeiro imaculado. Amá-Lo é doce. Falar-Lhe é encantador. Ouvi-Lo é divino.

Jesus! Não vereis alguém que tenha mais amor que Ele. Não sabereis de quem tenha mais poder que Ele. Perdoa por compaixão, julga por autoridade, recompensa por justiça, ama por graça e acolhe por generosidade. Salva por misericórdia. Jesus!” (O Rei Está Voltando).

Jesus Cristo, Salva.

O texto bíblico diz que nasceu para ser Salvador. “E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de JESUS, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados” (Mateus 1.21). Ele veio para salvar o seu povo e o mundo (Lucas 2.32), dos seus pecados. Para um mundo mergulhado na ignorância, cegueira espiritual, confusão, morte e perdição, havia a necessidade de um Salvador. Jesus se manifesta como a Luz do Mundo em meio às densas trevas da incredulidade. Veio para dar vista aos cegos. Só Ele é a Luz que ilumina o homem em meio a tantas luzes falsas e enganadoras que aqui neste torrão tentam a todo custo levar os homens à perdição. Vive-se num mundo cheio de enganos, embustes, falsidades. Muito do que se ensina por ai, não passa de heresias, falsos ensinos engendrados por Satanás, o deus deste século (1Coríntios 11.14). Em meio a uma sociedade que se diz iluminada, pairam densas trevas, pois esta baniu Deus dos seus caminhos, história para dar lugar a uma vida pregressa, distante de Deus. Deus espera que cada pessoa seja salva. Ele quer que todos os homens se salvem e venham ao pleno conhecimento da verdade (1Timóteo 2.4), manifestando para isso sua graça salvadora a todos os homens, sem acepção (Tito 2.11). Veio a este mundo para salvar todos que estavam perdidos (Lucas 9.56).

Jesus Cristo, cura.

A cura divina é uma doutrina bíblica e foi estabelecida por Deus. O texto do Antigo Testamento enfatiza: “Se ouvires atento a voz do Senhor, teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito, porque eu sou o Senhor que te sara” (Êxodo 15.26). Durante o seu ministério terreno, o Senhor Jesus curou muitos de varios tipos de enfermidades. “E percorria Jesus toda a Galiléia ensinando nas suas sinagogas, e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstia entre o povo” (Mateus 4.23). O seu ministério de cura e libertação é enfatizado nas Sagradas Escrituras nos seguintes termos: “Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele” (Atos 10.38). Ao enviar os dozes apóstolos lhes recomendou: “Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes de graça daí” (Mateus 10.8).

Na obra expiatória realizada na cruz do Calvário, Jesus tomou sobre si os nossos pecados e também as nossas enfermidades: “Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido” (Isaias 53.4). “A provisão de Deus através da redenção é tão abrangente quanto as consequências da queda. Para o pecado, Deus provê o perdão; para a morte, Deus provê a vida eterna, e a vida ressurreta; e para a enfermidade, Deus provê a cura (cf. Sl 103.1-5; Lc 4.18; 5.17-26; Tg 5.14,15)” (BEP – Bíblia de Estudo Pentecostal), pg. 1402).

Ao ressuscitar Jesus dar ordens à sua Igreja acerca da evangelização mundial, prometendo a esta os sinais que seguiriam à pregação do evangelho: “E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão” (Marcos 16.17,18). Naquele tempo Jesus estava rodeado por uma geração oprimida pelo diabo e curava-lhes todas as chagas físicas e espirituais (Lc 4.40). Na atualidade temos uma geração que igualmente necessita de cura para o corpo e para o espírito. Jesus Cristo, vivo, continua curando. Pois, é poderoso para fazer tudo. “Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera” (Efésios 3.20).

Jesus Cristo batiza com o Espírito Santo.

Jesus Cristo batiza com o Espírito Santo (Lucas 3.16). O batismo com o Espírito Santo é promessa do Pai (Joel 2.28,29), e todos os crentes poderão recebê-la. Desde o dia de Pentecostes até o fim da presente dispensação esta promessa pertence ao crente por direito. Por isso, deve este, não somente esperar receber, mas buscá-la ardentemente de todo o coração. Trata-se de um revestimento de poder, que capacita o crente viver para Deus, servindo-o de maneira poderosa. Foi predito desde os tempos do Antigo Testamento, estando relacionada com o plano da salvação (Joel 2.28,29;Isaias 44.3;Mateus 3.11;Lucas 24.49).

Jesus, antes de ser assunto ao céu, ordenou aos seus discípulos que não se ausentassem de Jerusalém, mas esperasse a promessa do Pai (Lucas 24.49; Atos 1.4). Os discípulos em obediência ao mandamento do Senhor Jesus permaneceram em Jerusalém por vários dias aguardando a promessa do Pai, até o dia de Pentecostes, quando veio do céu o Consolador sobre eles, passando desde então a habitar com a igreja (Atos 2.1-4).

O falar em outras línguas, era entre os crentes do Novo Testamento um sinal da parte de Deus para evidenciar o batismo com Espírito Santo. Os casos de batismos com Espírito Santo em Atos dos apóstolos se tornaram em base para a afirmação de que o falar em línguas estranhas é a evidência física inicial de que o crente foi batizado com Espírito Santo. Cremos que esse padrão bíblico, continua o mesmo para os dias atuais (Atos 2.4;8.14-17; 9.17;10.44-46;19.1-6).

Ora, vejam que a finalidade principal do batismo no Espírito Santo é o recebimento de poder. Aliás, foi sobre este poder que Jesus falou aos seus discípulos antes de ser assunto ao Céu (Lucas 24.49), era a maior necessidade deles. O batismo com Espírito Santo solucionou problemas sérios que surgiram na vida dos apóstolos com a morte de Jesus. O medo que se apoderara deles a ponto de evitarem o público e, ficarem atrás das portas fechadas (João 20.19,26), a fraqueza que deu lugar a uma coragem extraordinária para até, resistirem às perseguições que encontravam (Atos 4.16-21,33;5.29-33,41,42) e a inatividade que se tornou constante na vida deles, deu lugar a uma vida de atividades sem precedentes na história. O batismo com Espírito Santo faz isso ainda hoje (Atos 1.8). Jesus Cristo é o que batiza com o Espírito Santo ainda nos dias atuais.

Jesus Cristo breve voltará.

O fato da segunda vinda de Cristo é mencionado mais de 300 vezes no Novo Testamento. Apóstolo Paulo se refere ao assunto mais de 50 vezes, epístolas inteiras e capítulos inteiros dos evangelhos são dedicados ao evento. A segunda vinda de Cristo acontecerá de acordo com o que podemos depreender das Escrituras do Novo Testamento, em duas fases distintas. Na primeira fase, Ele virá arrebatar os santos (1Tessalonicenses 4.13-17). Nesta fase, Ele virá secretamente (Mateus 24.39-44; 1Coríntios 15.52; 1Tessalonicenses 5.2). Na segunda fase de sua vinda, virá com os santos em glória. É a sua revelação pública, sua manifestação ou aparecimento visível a Israel e às demais nações (gr. epifanéia), para destruir o sistema criado pelo Anticristo, libertar Israel dos seus adversários e implantar o Reino Milenar de Cristo (Apocalipse 20.2-7). Para podermos compreender melhor a segunda vinda de Cristo, precisamos perceber que esta possui fases distintas. A primeira, invisível aos olhos do mundo, é o arrebatamento; e a segunda fase, é a manifestação pessoal de Cristo em glória.

Todos que esperam o arrebatamento devem viver em função disso, com valores eternos, visto que Jesus pode voltar a qualquer momento. O cristão deve viver vida justa e de serviço em prol do reino de Deus e do próximo cada dia. A segunda vinda de Cristo é iminente, Ele certamente virá. As Escrituras afirmam: “Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez, para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecados, aos que o esperam para a salvação” (Hebreus 9.28). Ele mesmo disse acerca do Seu retorno a esta terra: “Eis que venho sem demora” (Apocalipse 3.11), e mais: “Certamente cedo venho” (Apocalipse 22.20). “Ora, vem, Senhor Jesus! (Apocalipse 22.20).

Concluo estas palavras afirmando que Jesus está vivo e continua a operar maravilhas em nosso meio. Jesus Cristo salva, cura, batiza com o Espírito Santo e em breve voltará para buscar sua Igreja.

Pr. Nonato Souza.

Um comentário:

  1. Deusilan de Sousa4 de junho de 2013 11:45

    Paz meu irmão e Pastor Nonato.., ler esse texto foi maravilhoso, principalmente quando a JESUS se refere como o cordeiro imaculado, maravilhoso quando Jesus disse ao longo do texto de Mateus 10, especificamente quando diz:O que vos digo em trevas dizei-o em luz; e o que escutais ao ouvido pregai-o sobre os telhados!
    Sou uma alma anelante por esse evangelho puro e simples, mas com o poder de uma dinamite em corações petrificados, capaz de arrancar almas acorrentadas das garras e artimanhas de Satanás. Tomar posse de tais palavras é motivo de mil e milhares de glória, áquele que com tão poderosa mão te levantou, te consagrou, e te selou para ser voz profética nessa terra. Tenho orado pela sua pessoa, pois tens sobre os ombros grandes responsabilidades. Mais uma vez obrigada pelo alimento sólido que pôes diante de nós. Quem sou eu para instruir a ti, devo aprender contigo, pois com nosso Senhor Jesus aprendes. Segue firme tua jornada e não te canses de proclamar a Cristo. Continuarei na direção do Espírito, intercendo pela sua pessoa.
    Na comunhão e consolação que há NELE que em nós opera todas as coisas.

    ResponderExcluir