terça-feira, 25 de outubro de 2011

Analisando a importância da sã doutrina

Por Pr. Nonato Souza
"Goteje a minha doutrina como a chuva, destile o meu dito como o orvalho, como o chovisco sobre a erva e  como gotas de água sobre a relva" (Deuteronômio 32.2).

Do texto acima, vemos a importância do ensino, instrução, doutrina (hb. laqah). Dai, porque estaremos abordando a importância da “doutrina bíblica”, que nada tem a ver com o que dizem fazem alguns doutrinadores quando ao ministrarem nos chamados “cultos de doutrinas” maltratam os santos.

Doutrina (gr. didache) denota “ensino” ou “ensinamento”. Então, doutrina bíblica, trata única e exclusivamente de ensino sistemático e cuidadoso da Palavra de Deus. O objetivo deste post é despertar no coração dos santos um maior interesse pelo aprendizado das doutrinas bíblicas que se ensinadas, cuidadosamente, nos levará à maturidade cristã.
Somos conhecedores que a verdadeira fonte para o estudo a respeito de Deus, é a sua Palavra, a Bíblia Sagrada. Este Sagrado Livro divinamente inspirado pelo Espírito Santo (2Tm 3.16), é capaz de tornar o homem sábio e conduzi-lo à salvação em Cristo Jesus.

A dedicação ao estudo sistemático, vagaroso, cuidadoso do Santo Livro, se constitui numa necessidade urgente, principalmente na atualidade. Paulo corrobora este pensamente quando escreve acerca desse assunto: “Medita estas coisas ocupa-te nelas” (1Tm 4.15). Só teremos compreensão plena dos mistérios de Deus e entenderemos melhor as doutrinas elementares da fé cristã se mergulharmos profundo no santuário das suas revelações (Ef 3.2-4).

Entende-se doutrina como “ensino normativo”, teologicamente analisado é o “conteúdo da fé cristã”.

Ao dá-nos as Sagradas Escrituras, Deus teve como propósito primário revelar ao homem todo seu plano de salvação, além de dar a este crescimento espiritual. Ora, Deus quer que depois de salvos todos quantos alcancem o plano da salvação cheguem ao pleno conhecimento da verdade (1Tm 2.4).

O homem natural tem grande dificuldade para compreender as coisas de Deus (1Co 2.14), por isso é imprescindível a ajuda da pessoa do Espírito Santo para poder penetrar nesses mistérios, o mistério do evangelho. Só Deus, o Pai da glória é capaz de dar ao homem em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação. Deus em Jesus Cristo dar ao homem o espírito de sabedoria e de entendimento objetivando iluminar os olhos do seu entendimento, para que saiba qual seja a esperança da vocação e quais as riquezas da sua herança (Ef 1.18).

Há diferenças básicas entre doutrinas e costumes. Por costume, entende-se “a maneira de agir,vestir, ser, etc, próprio de um povo, de uma época, de uma condição social. Legislação não escrita fixada pelo uso”. Os costumes independentes de suas origens variam de povo para povo, de região para região e de época para época.

Teologicamente analisada, entende-se doutrina como o “conteúdo da fé cristã”. A doutrina é uniforme, a mesma em todos os lugares, para todas as pessoas, para todos os tempos. No seu aspecto vivencial e prático, a doutrina ocupa-se da revelação de Deus Pai, do Senhor Jesus Cristo e do Espírito Santo; inclusive da exposição da vontade divina para com a vida dos santos. Ela fala da salvação graciosa encontrada em Cristo e da santificação como um estado permanente da vida do crente, e da responsabilidade de testemunhar de Jesus, o Senhor.

Ter um somatório enorme de bons costumes e quase nada de doutrina bíblica poderá levar a congregação a comportamentos estranhos quanto a princípios bíblicos necessários à fé cristã e não ao crescimento espiritual e maturidade, tão necessários hoje (Ef 4.11-14).

Não há nada que impeça andarem juntos doutrinas verdadeiramente bíblicos e bons costumes defendidos pela igreja local, desde que estes não se sobrepujem aos princípios e doutrinas bíblicos, mas façam parte das coisas que, como disse o escritor aos hebreus, “acompanham à salvação” (Hb 6.9).

Desde o principio do Cristianismo a Igreja têm lutado vorazmente contra os falsos ensinos que comumente se manifestam no seio da Igreja (Gl 1.6; 1Tm 1.3,4). O espírito do Anticristo, que já opera nos filhos da desobediência, tem inspirado multidões usando todos os meios possíveis para trazer confusão ao verdadeiro Cristianismo (1Tm 4.1; 2Pe 3.16). Apóstolo Paulo dando ênfase a este tempo diz: “... alguns apostatarão da fé”. O verbo apostatar significa: perder a primeira fé, repelindo-a em favor de outra crença.
Infelizmente, esse é um comportamento que acontece em grande escala em nossos dias.

Precisamos retornar urgentemente ao estudo sistemático e metódico da Palavra de Deus (At 17.11). Muitos têm trocado a Palavra por outras coisas, tornado-se presa fácil para os falsos mestres, heresias, modismo que a grosso modo, tem descaracterizado as igrejas locais. Tais distorções e aberrações só podem ser refutadas com o devido conhecimento bíblico (2Tm 3.14;f 4.14).

Estamos no tempo de pregar a Palavra a tempo e fora de tempo. Apóstolo Paulo diz que “virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; desviarão os ouvidos da verdade, voltando ás fábulas” (2Tm 4.2-4). Não estamos vivendo este tempo? Já não há pessoas que se fazem ou se cercam de mestres segundo os seus desejos? Não estamos, porventura, rodeados de pessoas que já não suportam ouvir acerca da boa doutrina?

Quero concluir o assunto convidando-vos a que retornemos ao estudo da Palavra de Deus, pois é assim que conseguiremos permanecer naquilo que aprendemos e de que fomos inteirados (2Tm 3.14), ainda que muitos não queiram ouvir ou não aceitem, é preciso continuar sofrendo, sendo fiel, como bom soldado de Cristo Jesus (2Tm 2.3) Que o Senhor tenha misericórdia do seu povo e nos ajude a guardar o modelo da sã doutrina.



Nenhum comentário:

Postar um comentário