sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O DEUS QUE PROVER (JEOVÁ JIREH)


O texto tomado para basearmos esta palavra é João 5.1-9. Que Deus é provedor das necessidades dos seres humanos, temos conhecimento. Ele é a nossa provisão sempre. No texto em apreço, vemos Deus trabalhando em favor daqueles que buscavam um milagre à beira do tanque chamada Betesda. A Bíblia diz acerca deste acontecimento: “Ora, existe em Jerusalém, próximo à porta das ovelhas, um tanque, chamado em hebraico Betesda, o qual tem cinco pavilhões. Neste jazia grande multidão de enfermos, cegos, coxos e paralíticos (esperando o movimento das águas. Um anjo descia em certo tempo, e agitava a água. O primeiro que entrasse no tanque, depois do movimento da água, sarava de qualquer doença que tivesse).”

A provisão de Deus (Jo 5.4).

Um tanque com cinco alpendres, que em hebreu se chama Betesda (Casa de misericórdia) (v.2);
Um tanque que ficava bem próximo à Porta das Ovelhas (esta porta foi edificada Pelo sumo sacerdote Eliasibe e seus irmãos (Ed 3.1) (v.2);
Por ordem divina, um anjo descia em certo tempo e agitava a água do tanque, objetivando a cura de alguém, que porventura, ali descesse (v.3);
O primeiro que ali descesse era curado de qualquer enfermidade (v.4).

A impossibilidade do homem.

Enfermo há 38 anos. Quanto tempo! Dentro de uma visão humana, um homem incapaz (v.5);
Como só era curado o que descia primeiro na água, aquele homem por sua impossibilidade, certamente estava ali há muito tempo (v.5);
Este moço certamente estava fadado a continuar ali por muitos e muitos anos. Ele certamente não tinha perspectiva de receber o milagre algum dia;
A menos que alguém o ajudasse, e essa ajuda chegou (v.6).

A compaixão de Jesus.

Jesus soube em primeiro lugar do estado daquele homem, que há muito tempo estava assim, enfermo e impossibilitado de ser curado, pois não tinha como entrar no tanque (.6);
Faz-lhe uma pergunta que parece ser o obvio no entendimento daquele sofrido homem doente (v.6);
O homem então, lhe mostra sua dificuldade. “Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me coloque no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim” (v.7);
Jesus, então, numa ação misericordiosa dar uma ordem ao homem dizendo: “Levanta-te, toma tua cama e anda” (v. 8);
Imediatamente o homem ficou são, tomou a sua cama e partiu (v.9).

A incapacidade do homem de salvar-se. Só em Jesus há salvação.

É certo que o homem tem caído da graça de Deus (Rm 3.23);
Está totalmente impossibilitado de salvar-se por suas obras ou por seus esforços (Ef 2.8);
Em todo tempo Deus proveu ao homem um escape. Para Adão proveu vestimentas quando estava despido (Gn 2.27); Para Noé escapar das turbulentas águas do dilúvio, proveu uma arca; para Ló um monte onde pudesse escapar da iminente destruição; para a humanidade Deus proveu seu Filho, que deu sua vida no Calvário para nos salvar (Jo 3.16). Aleluia!
Só em Jesus, poderá o homem, alcançar salvação (Is 45.22;At 4.12).

Conclusão: Desde o principio, com a queda do homem, este ficou impossibilitado de alcançar a salvação. Deus em seu Filho proveu para nós o plano da salvação, a qual o homem poderá alcançar crendo no Senhor Jesus e aceitando-o como salvador pessoal (Rm 10.13).

Pr. Nonato Souza

terça-feira, 26 de outubro de 2010

AINDA HÁ LUGAR


O texto base tomado para esta meditação está em Lucas 14.16-23. É claro que o espaço não nos permite meditarmos profundamente sobre o assunto, mas é de bom alvitre que vejamos algumas lições importantes sobre o assunto.
Jesus tinha diversas maneiras de comunicar verdades espirituais àqueles que lhe ouvia. Um dos seus métodos favoritos era através de parábolas. Neste texto, vamos nos ater apenas na expressão de Jesus que diz: “Ainda há lugar”.
A tarefa universal de evangelizar confiada pelo Senhor Jesus à sua Igreja é uma tarefa para hoje, agora. Devemos ser cuidadosos no cumprimento de nossos deveres e tarefas espirituais, não deixando escapar de nossas mãos a oportunidade e responsabilidade que o Senhor nos dar de realizar a sua obra. Muitos estão chorando porque lhes passou a oportunidade de fazer algo para Deus e estão entoando a lúgubre canção de Jeremias 8.20: “Passou a sega, findou o verão, e nós não estamos salvos”.
Deixar de fazer hoje o que podemos, para fazer amanhã, é trocar o certo pelo duvidoso e seguir o exemplo de Faraó. Faraó é o exemplo típico do homem que põe a sua confiança no dia de amanhã. Quando Moisés lhe perguntou quando deveria orar afim de que a praga de rãs fosse debelada, a resposta foi imediata e objetiva: “Amanhã” (Ex 8.9,10). A resposta de Deus para aqueles que esperam ou confiam no amanhã é: “Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã” (Tg 4.14). Portanto não é importante contar com o dia de amanhã.
Certamente ainda há lugar hoje, para os que querem morar no céu. Ao falarmos de céu, estamos falando de um lugar ilimitado. O céu é um lugar perfeito, perfeito em estrutura, propósitos, natureza. Perfeito porque é a morada de Deus, porque nele não entra pecado. Este lugar está reservado para aquele que aceita o plano da salvação na pessoa de Jesus Cristo.
Ainda há lugar hoje na Igreja. Para novos membros que queiram fazer parte deste corpo vivo. Ainda há lugar para novas pedras neste edifício. Neste edifício, somos pedras vivas e Jesus é a pedra principal da esquina. Ainda há lugar para novas ovelhas neste aprisco. Neste aprisco Jesus é o Pastor perfeito. Ainda há lugar para os perdidos. A Bíblia declara que a humanidade está perdida. O homem perdeu a sua identidade original e perdeu também sua comunhão com o Criador (Rm 3.23). A graça infinita de Deus oferece ao homem perdido um plano de redenção afim de que este recupere sua situação original e volte à comunhão com o Pai através de Jesus Cristo.
Certamente ainda há lugar pra você meu irmão, que abandonou seu lugar e deseja voltar à casa paterna. Para você que está desanimado. Para você que deixou de ser uma bênção nas mãos do Senhor. Volte a ser o que você era, fazer o que você fazia de bom, e receber o que recebia de Deus. Seja um vaso nas mãos de Deus, Ele deseja te usar, esteja no lugar da bênção, pois ainda há lugar.

Pr. Raimundo Nonato S. Santos.